Pre-Conference Workshops

WORKSHOP A — Como conduzir uma investigação interna eficaz e quais são as implicações: o que fazer nas duas primeiras semanas

Sep 22, 2020 9:30am – 12:30pm

Speakers

Patricia Marques
Legal Director, Enforcement & Region Compliance Counsel Latin America
TechnipFMC

Bernardo Viana
Senior Attorney
Saud Advogados, in cooperation with Hughes, Hubbard & Reed LLP

WORKSHOP B — Guia para gestão de terceiros: as regras não escritas mais críticas para ambientação e monitoramento de empregados, contratados e terceiros

Sep 22, 2020 1:30pm – 4:30pm

Speakers

Antonio Rita
Ethics & Compliance Associate Director, Latin America
BD

Tamara Ginciene Malara
Diretora de Governança, Riscos e Conformidade
Renova Energia S/A

Karlis M. Novickis
Partner
KMN Advogados
Independent Member of the Board Integrity Committee Petrobras

Day 1 - Wednesday, September 23, 2020

9:15
Discurso de abertura dos copresidentes da conferência
9:30

GRANDES CASOS COM GRANDE IMPACTO NA INDÚSTRIA BRASILEIRA NO MEIO DA COVID-19

As lições dos casos mais significativos, acordos e penalidades nos últimos meses
10:15

FUSÕES, AQUISIÇÕES, JOINT VENTURES E ATIVOS “SUJOS”

As melhores práticas do momento para se minimizer a responsabilidade do sucessor com relação a ativos “sujos”: Considerações chaves da perspectiva de vendedores e compradores
11:00
Intervalo
11:30
OBSERVAÇÕES E ENTREVISTA COM O MINISTRO DA JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA DO BRASIL
12:15

ENTREVISTA COM AGÊNCIAS FISCALIZADORAS DOS EUA

Prioridades para aplicação da FCPA no Brasil: avaliação de programas de compliance, mensagens instantâneas e coordenação com as agências brasileiras
1:15
Intervalo
2:15

ENTREVISTA ESPECIAL COM UM CEO

Cultura ética como uma prioridade empresarial, jurídica e de compliance: os pontos mais sutis de mensagens, treinamento e sucesso eficaz no papel e na prática
3:00

AÇÕES COLETIVAS NO BRASIL

As perspectivas de diferentes setores sobre o valor prático de iniciativas e pactos de integridade entre pares
3:45
Intervalo
4:15

A NOVA FASE DOS MONITORSHIPS NO BRASIL

Como os monitorships continuam a evoluir no Brasil sem os EUA ou outro envolvimento estrangeiro: atualizações importantes e o que essas revelam sobre as novas realidades
5:00
Fim do 1º dia

Day 2 - Thursday, September 24, 2020

8:30
MESA-REDONDA EXCLUSIVA SOBRE COMPLIANCE INTERNA
9:30
Comentários dos copresidentes da conferência
9:35

MESA-REDONDA SOBRE A LGDP: COMO A INDÚSTRIA ESTÁ REVENDO AS INVESTIGAÇÕES INTERNAS E DUE DILIGENCE CONDUZIDAS POR TERCEIROS

Como as empresas estão se preparando para cumprir a nova lei de privacidade de dados do Brasil: quais são as expectativas, o que realmente importa?
10:30

DEMONSTRAÇÃO E ESTUDO DE CASO: USANDO A TECNOLOGIA E A INOVAÇÃO EM COMPLIANCE

Como alavancar o machine learning, as análises de dados e a inteligência artificial no seu programa de compliance
11:15
Intervalo
11:45

COMO AS AGÊNCIAS BRASILEIRAS AVALIAM OS PROGRAMAS DE COMPLIANCE EM NÍVEL FEDERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL

Insights das agências de fiscalização e principais lições para as multinacionais
12:45

MESA-REDONDA COM EMPRESAS LÍDERES EM SEUS SETORES NO BRASIL

Visões do setor privado sobre programas de compliance e tendências de responsabilização no Brasil
1:30
Intervalo
2:30

COMPLIANCE COMPORTAMENTAL

Como Integrar a Economia Comportamental ao Seu Programa e Treinamentos de Compliance
3:15

REFORMAS RECENTES NO PROCESSO ADMINISTRATIVO DE RESPONSABILIZAÇÃO (PAR)

Novos desafios processuais e relatórios de perfil e conformidade em 30 dias: desafios e os pontos mais importantes da comprovação da robustez do seu programa de compliance em um prazo mais curto
4:00
Intervalo
4:30

VISÃO GERAL DE COMPLIANCE – FOCO NA AMÉRICA LATINA

O que os recentes acontecimentos políticos, econômicos e sociais na região significam para as multinacionais brasileiras e seus programas de compliance
5:15

“TOWN HALL”

Sessão de perguntas e respostas com as agências de fiscalização brasileiras
6:00
Encerramento do evento

Day 1 - Wednesday, September 23, 2020

9:15
Discurso de abertura dos copresidentes da conferência

Camila von Ancken
Regional Compliance Counsel (LATAM)
Google

Luís Adams
Partner
Tauil & Chequer Advogados Associado a Mayer Brown

9:30

GRANDES CASOS COM GRANDE IMPACTO NA INDÚSTRIA BRASILEIRA NO MEIO DA COVID-19

As lições dos casos mais significativos, acordos e penalidades nos últimos meses

Bruno Ferraz de Camargo
Head of Ethics and Compliance - Latin America, Global Lead Antitrust Program
Getinge LatAm

Emir Calluf Filho
Head of Legal Brazil | Legal Director
BHP

Patricia Marques
Legal Director, Enforcement & Region Compliance Counsel Latin America
TechnipFMC

Moderado por:

Salim Saud Neto
Partner
Saud Advogados, in cooperation with Hughes, Hubbard & Reed LLP

Este painel composto por advogados e especialistas em compliance de empresas analisará a atuação investigativa no Brasil de hoje e discutirá os casos mais significativos do passado recente. A discussão abrangerá as lições mais úteis e importantes para as multinacionais de modo a cumprirem com suas obrigações de compliance daqui para a frente. Os tópicos a serem abordados incluem:

  • Como as empresas dispostas a cooperar podem assegurar um “equilíbrio” adequado de cooperação com as autoridades brasileiras e estrangeiras, mantendo-se o sigilo profissional entre advogado e cliente
  • Dissecando as camadas de responsabilidade dos órgãos brasileiros federais, estaduais e municipais
  • Como interpretar a aparente sobreposição de poderes e determinar a respectiva jurisdição e dever dos órgãos brasileiros para negociarem delação premiada
  • Perspectivas sobre o presente e o futuro da cooperação entre autoridades policiais brasileiras e estrangeiras

10:15

FUSÕES, AQUISIÇÕES, JOINT VENTURES E ATIVOS “SUJOS”

As melhores práticas do momento para se minimizer a responsabilidade do sucessor com relação a ativos “sujos”: Considerações chaves da perspectiva de vendedores e compradores

Fabiana Leschziner
Executive Vice President, General Counsel and Chief Compliance Officer
Embraer

João Mendes de Oliveira Castro
Partner
Prisma Capital

William P. Olsen
Managing Director of Forensic Advisory Services
Arnall Golden Gregory LLP (EUA)

Tatiana R. Martins
Partner
Davis Polk & Wardwell LLP (EUA)

  • Oportunidades e desafios na venda de ativos por empresas que estão ou estiveram sob investigação ou assinaram um acordo de delação premiada
  • Avaliando o que você compra: como os investidores podem se proteger contra atos ilícitos passados de seus alvos
  • Classificação de risco em fusões, aquisições e joint-ventures: triagem dos riscos pré e pós aquisição associados com due diligence, financiamento, cultura corporativa e mais
  • A prescrição da responsabilidade do sucessor: quando suspender a negociação e por quanto tempo
  • Como avaliar os riscos anticorrupção ao comprar uma empresa por inteiro em comparação com apenas um componente individual ou parte das operações de uma empresa

11:00
Intervalo
11:30
OBSERVAÇÕES E ENTREVISTA COM O MINISTRO DA JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA DO BRASIL

André Luiz de Almeida Mendonça
Ministro da Justiça e Segurança Pública do Brasil

Moderado por:

Luís Adams
Partner
Tauil & Chequer Advogados Associado a Mayer Brown

(Envie as suas perguntas anonimamente com antecedência e durante a sessão [email protected])

12:15

ENTREVISTA COM AGÊNCIAS FISCALIZADORAS DOS EUA

Prioridades para aplicação da FCPA no Brasil: avaliação de programas de compliance, mensagens instantâneas e coordenação com as agências brasileiras

Christopher J. Cestaro
Chefe Interino, Unidade FCPA, Seção de Fraude, Divisão Penal
Departamento de Justiça dos Estados Unidos

Edward D. Dorsey
Supervisory Special Agent, Public Corruption and Civil Rights Section, International Corruption Unit
Federal Bureau of Investigation

Moderado por:

Giovanni Paolo Falcetta
Partner
TozziniFreire Advogados

Brian F. Saulnier
Partner
K&L Gates LLP (EUA)

Esta muito esperada entrevista reunirá autoridades policiais dos Estados Unidos para discutir as prioridades em seu combate à corrupção e ao suborno na maior economia da América Latina. A entrevista abordará, dentre outros temas:

  • O grau de colaboração entre as autoridades brasileiras e dos EUA
  • Onde e como as autoridades anticorrupção brasileiras se enquadram no cenário mais amplo do combate global à corrupção.
  • Investigação do FBI no Brasil: um dos três países prioritários do FBI e o que isso significa para as multinacionais com interesses no Brasil

1:15
Intervalo
2:15

ENTREVISTA ESPECIAL COM UM CEO

Cultura ética como uma prioridade empresarial, jurídica e de compliance: os pontos mais sutis de mensagens, treinamento e sucesso eficaz no papel e na prática

André Clark Juliano
General Manager
Siemens Energy Brazil

Moderado por:

Mauricio A. España
Partner
Dechert LLP (EUA)

Esta sessão especial permitirá ver como diretores e executivos sênior pensam e onde o combate à corrupção está assentado na lista de prioridades corporativas. Os tópicos a serem abordados incluem:

  • Como CEOs e outros executivos sênior interpretam as suas responsabilidades de garantir que haja políticas e sistemas adequados implementados para assegurar o compliance
  • Como os CEOs podem comunicar de modo eficaz uma mensagem de combate à corrupção
  • Estruturando o relacionamento entre o CEO e a gerência de Compliance/CCO
  • O papel do CEO nas investigações: o nível de envolvimento, incluindo o relacionamento com escritórios de advocacia externos e fluxo de reporte
  • Como decidir se um descumprimento legal deve ser informado ao público
  • A exposição dos CEOs à responsabilidade pessoal: exemplos concretos

3:00

AÇÕES COLETIVAS NO BRASIL

As perspectivas de diferentes setores sobre o valor prático de iniciativas e pactos de integridade entre pares

Reynaldo Goto
Chief Compliance Officer
BRF

Ana Luiza Aranha
Anti-Corruption Technical Advisor
Global Compact Network Brazil

Marcos Rossa
Compliance Officer South America
Cushman & Wakefield

Paulo Guilherme Vita

Paulo Guilherme Vita
Compliance Specialist
Large Multinational Financial Institution

De acordo com o UNGC, “a ação coletiva pode ajudar a criar ambientes seguros para boas práticas de negócios, desencorajando a operação fora do estado de direito e nivelando o campo de atuação para as partes interessadas de todos os tamanhos”. O Brasil fornece vários exemplos bem-sucedidos de ações coletivas em diferentes segmentos de mercado e com múltiplos formatos. Um esforço comum entre concorrentes, parceiros e setor público, poderia incentivar práticas éticas e compatíveis no mercado e reduzir a corrupção. Uma questão relacionada e importante é se é esperado que agências de fiscalização brasileiras (e não brasileiras) tomem realisticamente em consideração as ações coletivas de integridade ao conduzir uma investigação ou avaliar um programa de conformidade. Este painel irá explorar todas as opções acima – junte-se a nós para uma discussão interessante!

3:45
Intervalo
4:15

A NOVA FASE DOS MONITORSHIPS NO BRASIL

Como os monitorships continuam a evoluir no Brasil sem os EUA ou outro envolvimento estrangeiro: atualizações importantes e o que essas revelam sobre as novas realidades

Pedro Sutter
Chief Compliance Officer
CCR S.A.

Adriana Dantas

Adriana Dantas
Sócia, Adriana Dantas Advogados
Monitora Independente, EcoRodovias
Membro do Comitê de Medidas Disciplinares, Conselho de Administração, Petrobras

Recentemente, pela primeira vez na história do Brasil, o MPF começou a impor monitoramentos sobre empresas brasileiras sem o envolvimento do Departamento de Justiça dos EUA, da SEC ou de alguma outra autoridade estrangeira. Este acontecimento dá início a uma nova era no combate à corrupção no Brasil. Usando como modelo os monitoramentos (“monitorships”) dos EUA, há dúvidas importantes em aberto para as empresas que possam se encontrar em situação semelhante e aquelas que buscam fortalecer a sua gestão de riscos. Isso inclui:

  • Principais diferenças entre monitorships no Brasil e nos EUA
  • Condições, processo, critérios e seleção de monitores
  • Como é um monitoramento “bem sucedido” no Brasil de hoje
  • O que se deve saber no trato com as autoridades brasileiras e com as autoridades dos EUA
  • A evolução dos monitoramentos exclusivamente brasileiros: o que está por vir?

5:00
Fim do 1º dia

Day 2 - Thursday, September 24, 2020

8:30
MESA-REDONDA EXCLUSIVA SOBRE COMPLIANCE INTERNA

Moderado por:

John P. Rowley III
Partner
Arnall Golden Gregory LLP

Esta sessão exclusiva de networking será conduzida na forma de um conselho, reunindo profissionais jurídicos e de compliance das empresas. Serão discussões em grupos menores sobre desafios altamente complexos, dando aos participantes das empresas excelentes oportunidades para compartilhar histórias e melhores práticas. Todas as pessoas interessadas serão préqualificadas antes de serem registradas para esta sessão.

9:30
Comentários dos copresidentes da conferência
9:35

MESA-REDONDA SOBRE A LGDP: COMO A INDÚSTRIA ESTÁ REVENDO AS INVESTIGAÇÕES INTERNAS E DUE DILIGENCE CONDUZIDAS POR TERCEIROS

Como as empresas estão se preparando para cumprir a nova lei de privacidade de dados do Brasil: quais são as expectativas, o que realmente importa?

Vanessa Araújo Lopes Butalla
Legal Director
Serasa Experian

Marcelo de Almeida Horacio
Director General Attorney and Compliance Officer
Pearson Education

A LGPD agora entrará em vigor em janeiro de 2021. Conforme o tempo vai passando, as empresas brasileiras estão avaliando como interpretar e aplicar as novas exigências, navegar as zonas cinzentas e têm dúvidas sobre a agência responsável pela fiscalização dessas normas. Os tópicos principais a serem discutidos incluem:

  • E se sua empresa estiver sob investigação do governo sem que o Ministério Público solicite os dados?
  • Comparação com a GDPR da Europa e como gerenciar possíveis sobreposições e conflitos
  • Como a LGPD afeta a gestão de canais de denúncias? Que novos requisitos as empresas precisam atender (por exemplo, contratar um consultor em privacidade)?
  • Lidando com as informações de empregados e clientes: os desafios na transmissão transfronteiriça de dados
  • A futura fiscalização da LGPD: perspectivas de criação de uma agência regulatória da privacidade no Brasil e mais

10:30

DEMONSTRAÇÃO E ESTUDO DE CASO: USANDO A TECNOLOGIA E A INOVAÇÃO EM COMPLIANCE

Como alavancar o machine learning, as análises de dados e a inteligência artificial no seu programa de compliance

Tamara Ginciene Malara
Diretora de Governança, Riscos e Conformidade
Renova Energia S/A

Sergio Pinto
Senior Director Compliance, Third Party Ethics & Compliance – Americas
Johnson & Johnson

Ana Paula Carracedo
Chief Risk & Compliance Officer
Votorantim S.A

Anne Caroline Prudêncio
Partner
Page Compliance

  • Medindo e comparando o ROI das soluções disponíveis
  • Análise da extensão, limites e custo-benefício das inovações tecnológicas
  • Exemplos concretos da extração e uso de dados para tomada efetiva de decisões e gestão de riscos e quando ainda é melhor usar um processo de aprovação e revisão manual
  • Os mais novos controles automatizados que as empresas estão usando para identificar pagamentos suspeitos e outros fatores de risco
  • Como selecionar fornecedores: entendendo o tamanho da sua empresa, perfil de risco, orçamento e mais
  • Avaliando as funções das soluções e as necessidades da sua empresa
  • Quanto investir na solução certa. E o que é gasto excessivo?
  • Como analisar o custo/benefício das soluções disponíveis
  • Relatórios de due diligence: como escolher o fornecedor certo para a sua empresa
  • Montando o seu business case para a diretoria e Conselho Fiscal: justificando o custo e valor agregado
  • Como medir o ROI
  • O que a análise de dados pode e não pode fazer para identificar riscos
  • A mineração e interpretação de dados durante monitoramentos, auditorias e investigações de compliance

11:15
Intervalo
11:45

COMO AS AGÊNCIAS BRASILEIRAS AVALIAM OS PROGRAMAS DE COMPLIANCE EM NÍVEL FEDERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL

Insights das agências de fiscalização e principais lições para as multinacionais

Wagner de Campos Rosário
Ministro
Controladoria-Geral da União (CGU)

Gustavo Ungaro
Professor e Advogado, Doutor em Direito pela USP, Vice-Presidente da Comissão Científica do Conselho Nacional de Controle Interno, Ex-Controlador Geral do Município de São Paulo, Corregedor Geral e Ouvidor Geral do Estado de São Paulo, Secretário Executivo do Fórum de Combate à Corrupção e da Rede Paulista de Controladorias

Antonio Carlos Vasconcellos Nóbrega
Conselheiro da Comissão de Ética Pública da Presidência da República e Assessor Especial no Estado do Rio de Janeiro; Ex-Conselheiro no Conselho de Controle de Atividades Financeiras - (COAF); Ex-Corregedor-Geral da União, Controladoria-Geral da União (CGU)

Moderado por:

Michel Sancovski
Partner
Tauil & Chequer Advogados Associado a Mayer Brown

Este painel muito esperado reunirá autoridades dos principais órgãos brasileiros de fiscalização da legislação anticorrupção nos níveis federal, estadual e municipal. Tem havido muitas discussões sobre a dificuldade que empresas brasileiras e multinacionais enfrentam para desvendar a teia de agências fiscalizadoras somente no nível federal (tais como CGU, MPF, AGU, TCU). Contudo, até o momento, há claramente uma ausência de debate e, mais importante ainda, compreensão de como um programa de compliance de uma empresa é avaliado nos diferentes níveis administrativos (federal x estadual x municipal). Este painel reunirá autoridades de cada um desses entes federativos para uma valiosa conversa.

Não perca essa perspectiva sobre tendências e exigências em primeira mão, além de importantes lições a serem implementadas após o evento..

12:45

MESA-REDONDA COM EMPRESAS LÍDERES EM SEUS SETORES NO BRASIL

Visões do setor privado sobre programas de compliance e tendências de responsabilização no Brasil

Aline de Almada Messias
Diretora Jurídico e Compliance
Hospital Sírio Libanês

Gilberto Frussa
Chief Compliance Officer
Itaú Unibanco S.A.

Moderado por:

Rafael Gomes
Partner
Huck Otranto Camargo

Este painel é composto por responsáveis pela área de Compliance de empresas líderes em seus setores, reconhecidas pela promoção da ética e do Compliance em suas atividades. Analisando e fazendo o contraponto, onde couber, sobre o debate no painel anterior, com autoridades públicas, conheça o ponto de vista corporativo sobre questões críticas, tais como:

  • A necessidade de adequação do Compliance e da responsabilização das empresas por atos de corrupção no Brasil
  • Como a atuação das autoridades brasileiras e estrangeiras tem diferido, na prática, do que é estipulado na teoria?
  • As diferenças da estrutura de capital típica das empresas brasileiras, dos modelos de governança corporativa e da legislação brasileira que devem ser levadas em consideração na responsabilização das empresas
  • As peculiaridades brasileiras a considerar na avaliação de programas de Compliance, na avaliação de fornecedores e parceiros comerciais em processos de due diligence de terceiros e na atribuição de crédito em função de colaboração e programa de Compliance efetivo, no caso de responsabilização.

1:30
Intervalo
2:30

COMPLIANCE COMPORTAMENTAL

Como Integrar a Economia Comportamental ao Seu Programa e Treinamentos de Compliance

Patricia Godoy Oliveira
Director Compliance & Ethics Brazil
Uber

Liana Irani Afonso Cunha
Compliance Director for Brazil and Latin America
Thermo Fisher Scientific

Juliana Oliveira Nascimento
Co-Founder
Compliance Women Committee International

3:15

REFORMAS RECENTES NO PROCESSO ADMINISTRATIVO DE RESPONSABILIZAÇÃO (PAR)

Novos desafios processuais e relatórios de perfil e conformidade em 30 dias: desafios e os pontos mais importantes da comprovação da robustez do seu programa de compliance em um prazo mais curto

Pedro Ruske Freitas
Diretor de Promoção da Integridade, Secretaria de Transparência e Prevenção da Corrupção
Controladoria-Geral da União (CGU)

Marcelo Zenkner
Chief Governance and Compliance Executive Officer
Petrobras

Carlos Ayres
Partner
Maeda, Ayres e Sarubbi Advogados

  • Quais as mudanças trazidas pela Instrução Normativa Nº 13/2019 da CGU?
  • Quais os novos desafios trazidos Instrução Normativa Nº 13/2019 da CGU para as empresas?
  • Por que os relatórios de perfil e conformidade precisam ser preparados com antecedência?
  • O que você precisa saber sobre a elaboração dos relatórios de perfil e conformidade?
  • O que as autoridades irão analisar ao avaliarem programas de conformidade no contexto de um PAR?

4:00
Intervalo
4:30

VISÃO GERAL DE COMPLIANCE – FOCO NA AMÉRICA LATINA

O que os recentes acontecimentos políticos, econômicos e sociais na região significam para as multinacionais brasileiras e seus programas de compliance

Patricia Barbelli
Regional Chief Legal Officer (Brazil, Uruguay and Paraguay)
Diageo

Sandra Orihuela
Global Corporate and Compliance Counsel; Founding Partner
Orihuela Abogados (Peru)

Pamela Alarcón
Partner
Philippi Prietocarrizosa Ferrero DU & Uria (Colombia)

Carlos Chávez A.
Partner
Galicia Abogados, S.C. (México)

  • Como as legislações anticorrupção dos países latino americanos estão afetando o modo de fazer negócios das multinacionais brasileiras
  • Em que medida as multinacionais brasileiras precisam “estar preparadas” para se tornar alvo de agências anticorrupção de fora do Brasil: é só uma questão de tempo até serem “mordidas” por essas leis?
  • Tirando as conclusões certas sobre as tendências de cooperação transfronteiriça entre procuradores gerais e as diferentes autoridades policiais
  • O que os casos internacionais mais recentes apontam com relação à fiscalização multi-jurisdicional: dividir o bolo de multas ou fazê-lo crescer?

5:15

“TOWN HALL”

Sessão de perguntas e respostas com as agências de fiscalização brasileiras

Maria Iraneide Olinda Santoro Facchini
Coordenadora da 5ª Camara de Combate à Corrupção
Ministério Público Federal (MPF)

Cláudia Taya
Secretária de Transparência e Prevenção à Corrupção
Controladoria-Geral da União (CGU)

Paulo Soares Bugarin
Subprocurador-Geral
Ministério Público (MP) junto ao Tribunal de Contas da União (TCU)

Moderado por:

Adriana Dantas

Adriana Dantas
Sócia, Adriana Dantas Advogados
Monitora Independente, EcoRodovias
Membro do Comitê de Medidas Disciplinares, Conselho de Administração, Petrobras

6:00
Encerramento do evento

WORKSHOP A — Como conduzir uma investigação interna eficaz e quais são as implicações: o que fazer nas duas primeiras semanas

Sep 22, 2020 9:30am – 12:30pm

Patricia Marques
Legal Director, Enforcement & Region Compliance Counsel Latin America
TechnipFMC

Bernardo Viana
Senior Attorney
Saud Advogados, in cooperation with Hughes, Hubbard & Reed LLP

What is it about?

Todos os passos, componentes e processos de uma investigação interna são fundamentais para se determinar a qualidade, “êxito” e resultado desta, mas os dias logo após o início de uma investigação são geralmente os mais cruciais. É nessa etapa inicial que muitos erros cometidos podem se tornar problemas maiores à medida que a investigação continua. Esta oficina a ser conduzida por especialistas vai explorar os principais passos necessários para se iniciar bem uma investigação interna e como se pode mitigar os maiores riscos enquanto ela estiver em andamento. Os tópicos a serem discutidos incluem:

  • Avaliando o potencial de uma investigação interna e estimando a magnitude do problema
  • Abordando a sua resposta e organizando a investigação com base em se a questão foi levantada internamente, pelo governo, por um denunciante ou mediante uma intimação judicial
  • Assegurando que a conduta questionável não está mais acontecendo
  • Medidas práticas e formais que se deve tomar rapidamente para assegurar provas
  • Resolvendo quanto notificar as partes interessadas
  • Quando contratar advogados, peritos contadores e quantos
  • Tomando as devidas medidas para proteger o sigilo profissional entre advogado e cliente e proteções relacionadas

WORKSHOP B — Guia para gestão de terceiros: as regras não escritas mais críticas para ambientação e monitoramento de empregados, contratados e terceiros

Sep 22, 2020 1:30pm – 4:30pm

Antonio Rita
Ethics & Compliance Associate Director, Latin America
BD

Tamara Ginciene Malara
Diretora de Governança, Riscos e Conformidade
Renova Energia S/A

Karlis M. Novickis
Partner
KMN Advogados
Independent Member of the Board Integrity Committee Petrobras

What is it about?

Neste grupo de trabalho prático, com foco na indústria, os palestrantes demonstrarão como as empresas estão usando uma abordagem em níveis para as due dilligence, com base no nível apropriado de risco e tipo de terceiros em questão. A sessão debaterá como reavaliar a sua abordagem de classificação de risco e minimizar os custos de um programa robusto. Tendo em vista a evolução dos fatores de risco e obrigações de compliance, não perca esta valiosa oportunidade para se atualizar sobre as melhores práticas. Descubra como a sua abordagem para gerenciamento de grandes riscos se compara com a dos seus pares e aproveite as importantes lições em seu trabalho. Os tópicos a serem abordados incluem:

  • Até onde ir na avaliação de empregados, contratadas e terceiros.
  • Como incorporar protocolos de triagem e avaliação com base no tipo de relacionamento e interesses representados pelo terceiro
  • Criando um modelo que estratifica o seu risco com base nos terceiros e como realizar due diligence baseada em tal modelo
  • O que é necessário se ter em um questionário para terceiros
  • O escopo de due diligence quando já há um relacionamento contínuo com terceiros
  • Lidando com a resistência a perguntas adicionais depois do questionário inicial
  • O impacto da GDPR e da LGPD em due diligence de terceiros
  • Qual a medida de uma due diligence satisfatória: como saber se a sua abordagem realmente se baseia em riscos
  • Desafios exclusivos associados com tipos de terceiros essenciais para a sua empresa internacional
  • Quando realizar uma due diligence em um relacionamento existente e contínuo com terceiros e até onde ir
  • Compreendendo os costumes, práticas e ambiente empresarial local